Oi gente, tudo bom?! Bommmm!! A partir de hoje assumo de coração aberto essa parte do Vício Feminino; aqui irei transcrever minhas sensações, emoções, aprendizados e todas as dicas que a Milla Cabral sempre nos presenteia através dos seus vídeos. De seguidor a escritor, teremos um encontro marcado, em palavras, textos e pensamentos, com os melhores momentos dos conteúdos gravados por ela, onde eu (Kinhu) transcreverei a percepção de seguidor e daquilo explicitado em seu canal. Espero que gostem e que sintam-se representadas!!

E por falar em percepção, eu JAMAIS saberia as sensações do puerpério se a Milla não falasse a respeito; e olha que foram 09 meses entre o sentir e gravar, para então entendermos esse processo narrado de forma tão sincera, e compreendido por um tantão de mamães que se identificam com o relato.

Numa série de vídeos nomeados “A VERDADE SOBRE…” situações da sua gestação; de forma franca, olho no olho e papo de amiga, Milla relata e abre seu coração falando com a sua verdade.

Agora respiraaaaaa, pega a pipoca e vamos entender um pouquinho desse universo materno.

Depois do vídeo A VERDADE SOBRE O CORPO PÓS PARTO, e A VERDADE SOBRE O PARTO NORMAL, podemos dizer que a Milla foi muito humana em colocar na internet emoções tão internas, que muitas das vezes era tudo o que ela buscava ver e aprender em alguém; afinal, mãe de primeira viagem é um universo a ser explorado.

Bom, se você chegou até aqui, se está interessada sobre puerpério, das quatro uma: ou você está grávida (Parabénsssss), ou já pariu seu bebezinho (Parabénssss ao quadrado), ou era como a Milla antigamente; que consumia conteúdos relacionados a maternidade numa vontade única de ser mamãe (Calma que a sua hora vai chegar!! ❤️) ou é seguidora de carteirinha (raiz) e consome os vídeos tanto para conhecimento pessoal, como para passar para os amigos. (Você é das minhas 😉.)

O puerpério nada mais é do que aquele período pós parto, onde a mulher está enfrentando uma transformação, uma mudança, variações hormonais, transformações físicas e emocionais, tudo tudo tudo no mesmo tempo; então por isso que é tão falado, tão desgastante, e complicado; pelo menos pra Milla foi, e para várias amigas que ela já conversou a respeito.

É engraçado, pois é um momento que ela sabia que iria acontecer (por pesquisar bastante, ler bastante) e por mais que mentalizasse um controle a respeito da situação, quando os hormônios estão à flor da pele, aquelas oscilações todas devido à queda hormonal depois do parto, a deixou diferente. Ali já era o início do puerpério.

Então imagina comigo, você está grávida, louca pra ter seu bebê, e como a Milla diz, na fase final fica ainda mais ansiosa a respeito de como será o parto, o momento de ter seu pacotinho de amor nos braços, a pressão natural da família… até que chega o grande dia e você finalmente dá a luz.

Maravilhoso!! O parto foi lindo, amamentação tá indo (complicado de início, mas fluindo), e páh!! Você já está no puerpério, só que você não se dá conta. Imagina o misto de sensações: Você esperou por muito tempo, pariu seu bebezinho, e tá tudo bem, sem estar tudo tão bem assim.

Que louco!! Posso já deixar um conselho?! Peça para o pai do seu bebezinho assistir o vídeo!! Sabe por que?! A cobrança da mulher é muito grande!! Você vai entender isso agora…

Como relata a Milla, o parto foi tudo bem, o Lucca nasceu com saúde, ocorreu tudo como planejado, mas ela chorava. Dava 8 horas da noite e ela desabava;

“era um choro que parecia que eu estava na pior; eu estava muito mal; que eu estava acabada; que minha vida estava… gente eu não sei.” 

Tudo acontecia na hora do banho. Justamente ali, num contato íntimo e de entrega entre o Lucca, Rodrigo e a Milla, mais ou menos 19:30 ela já ficava angustiada. Fim do dia e o desgaste emocional aparecia.

Uma coisa muito importante a ser dita; que vale ressaltar; é o seu marido, ou amigo, ou o familiar, enfim quem for ficar ao seu lado no pós parto, entender sobre esses sentimentos e momentos. O Rodrigo conversou muito com a médica da Milla, Dra. Carla Betarelli, a respeito de tudo que poderia acontecer após a chegada do Lucca. E apesar dele ser pai, e de tudooooo mudar na vida dele, acredite, para mulher a mudança é 3 vezes mais significativa…

Agora você entende a importância da informação?! Reitero: Coloque o pai do seu bebezinho para assistir o vídeo.

Alteração hormonal; o físico; o corpo que não voltou a ser como antes; Você não está mais grávida, mas ainda está com a barriga; então é complicado essa relação entre olhar no espelho, se aceitar, e ter paciência para todo o processo da mudança… as roupas não são mais as de grávidas, mas as suas antigas não servem mais; paralelo a isso você continua sangrando por uns 10 dias; o peito machucado pois o bebê está aprendendo a mamar; você aprendendo a amamentar… tudo acontecendo ao mesmo tempo!!

“Eu lembro no puerpério, que demora 03 dias pro leite descer; primeiro o bebê suga o colostro; que é o líquido mais amarelinho antes do leite. Aí todo mundo falava que tem a a descida do leite; meu Deus o meu não veio, não está descendo; quando eu fui tomar banho, eu nunca me esqueço; tomei um banho morno, aí eu coloquei a toalha, senti um negócio inchando e doendo o meu peito, parecia que estava irrigando tudo, esquentando, uma coisa enlouquecedora. Eu sabia que ia descer, mas não sabia que era assim. O meu peito começou a inchar, uma dor muito forte; eu toda desorientada…”

Como a Milla diz, foi tudo muito esquisito. Tudo era novidade pra uma mãe de primeira viagem que vivia todas as sensações no puerpério.

Ainda dando continuidade ao leite materno, após o banho, ela com a toalha encharcada, relata no vídeo com sinceridade sobre o primeiro jato de leite que saiu da mama direita direto para a banheira. Rs. A sensação de felicidade por ter leite para amamentar seu filho, num misto de insegurança por estar vivendo tudo aquilo pela primeira vez.

“Era muito forte. Eu não sabia se chamava a minha mãe, se gritava alguém, ou se tapava com a toalha…”

Tudo é uma novidade!!

– Olhar para o bebê;
– Dar banho no bebê;
– Amamentar o bebê;

Mesmo que você faça cursos e mais cursos, na prática é outra coisa.

Então pra Milla o que mais pegou na fase do puerpério foi esse choro compulsivo vindo com a loucura da cobrança de chorar por estar tudo bem com o bebezinho dela.

“Aí eu começava a me culpar, me achando a pior mãe do mundo por estar chorando, quando eu deveria estar agradecendo por estar tudo bem. Aí eu chorava mais ainda, por estar chorando, quando não deveria estar chorando…”

E apesar do Rodrigo ter conversado com a médica, e a mesma ter receitado uma medicação natural, pelo que pude aprender com o vídeo nada melhor que o TEMPO.

Milla contabilizou 15 dias de chororô seguidos; uma fase extremamente sensível de desabamento emocional.

Algumas meninas perguntaram pra ela sobre dor pós parto; e novamente ela conversa de forma transparente que não sentiu dor nenhuma, mas sentia um incômodo (vulgo medo) na hora de fazer as necessidades fisiológicas.

Apesar de tudo relacionado a dor pós parto, ser mais tranquilo do que ela imaginou, o puerpério foi algo extremamente fora do controle. Pegou mesmoooo!!

Mas ela não teve problemas em rejeitar o bebê, o que pode vir a acontecer em alguns casos; pelo contrário, apesar de ser uma fase extremamente complicada, ela quis participar de todas os momentos do Lucca.

A fase do puerpério poderia ser pior?!
Sim!! E foi!!

No meio de todo esse turbilhão de sentimentos, Rodrigo adoeceu, com uma suspeita de câncer; onde a Milla ao lado dele numa consulta médica, no meio da fase do puerpério, ouviu da boca de um renomado especialista que seu marido poderia estar com um tumor maligno. Calma!! Graças a Deus está tudo bem!! Isso foi um relato do que ela viveu em meio ao caos emocional que estamos relatando…

“Foi um período muito complicado; onde eu tive que ter calma e força; o meu marido precisa de mim, o meu filho precisa de mim…”

O mais agonizante nisso tudo é a espera. Como ela relata, foram dias doídos entre biópsias, exames e resultados; num período onde ela estava fraca emocionalmente e na força de uma mulher e mãe de família, precisou se reerguer e se estabelecer pelos seus. Isso é lindo!! Que orgulho que eu tenho da sua garra!!

Resumindo:
De manhã ok; de tarde mais ou menos; de noite desabava. Os hormônios alteravam, o sangramento não parava, o leite chegava, o corpo mudava. Pelo que deu pra perceber o que mais pegou no caso da Milla foi a mente. O entender todo o processo; o lidar com o novo; a responsabilidade de ter um bebê que depende dela pra tudo. Sem duvidas alguma, é a maior mudança que uma pessoa pode viver!!

Hoje ela admira ainda mais todas as mães; assim como eu, principalmente agora após assistir e aprender tudo que elas passam após a chegada de seus bebês; ter filho é a melhor e mais desafiadora lição de vida.

E pra fechar esse post, você está sentindo falta de alguma coisa?!

Onde fica o modo “off-line” das mamães?!

Pariu nunca mais dormiu. (Já dizia Dona Consumista.) Não minha gente; Lucca não é o bebezinho que dorme a noite toda; e cabe cada família escolher a melhor maneira de lidar com essas situações; no caso da Milla, o colo, o acolhimento materno, foi a melhor escolha.

“Eu sou do time que não nego colo; que eu acho que não é frescura do bebê; que não é manha. Às vezes tem uma manhazinha, mas eu não nego colo, não nego peito pra ele…”

Qual a conclusão que a gente tira do vídeo?!
Tudo passa!! Assim como amanhã o seu ser de luz estará grande, não cabendo mais no seu colo, a fase do Puerpério também vai passar…

Por mais intenso que seja tudo isso; por mais doído que seja tudo isso; faça como a Milla, não deixe o medo lhe paralisar de viver!! Eu sei que seu sono nunca mais será o mesmo; que as responsabilidades aumentam a cada dia; mas faça esse exercício: olhe para o sorriso do seu filho. Permita-se viver e entender esse contato. E um conselho de coração, não omita nada do pai. Coloque seu companheiro a par de tudo. É importante pra relação de vocês. Parte do Rodrigo ser esse paizão que conhecemos, vem da transparência da relação dele com a Milla.

“Eu passaria por um trilhão de puerpérios de novo.” 

Só essa fala já diz tudo né?!

Termino esse post reafirmando uma dica deixada no vídeo para as mulheres:

Vocês sabem que vão passar por isso. E quando passarem, vocês vão querer sair mas a cabeça vai ficar meio diferente. Permitam-se, nem que seja por uns minutinhos, dedicarem um tempinho pra vocês. Que seja passar uma base no rosto, um blush, fazer a unha, ou sair no intervalo que o peito está enchendo de leite para a próxima amamentação. O fato é: não esqueça da sua vaidade.

Agora corre aqui pro vídeo, pra enxergar o brilho nos olhos da Milla quando ela deixou de ficar só de camisola e permitiu-se, mesmo no puerpério e no cansaço do início da vida materna, se arrumar e vestir uma calça jeans.

Tem coisas que é impossível transcrever aqui; como o brilho nos olhos dela ao relatar não só esse, como vários momentos transcritos nesse post.

Respira, inspira, e entenda que isso vai passar.
Nos vemos aqui no blog com o relato do próximo vídeo. Beijão. =* Kinhu.

(Visited 1 times, 1 visits today)

Sobre a Autora

Avatar

Comentários

2 Comentários

  1. Avatar

    meu Deus, Kinhu.. que descrição mais perfeita. Seja muito bem-vindo. Acompanho a Milla deeeesde o comecinho e agora estou gravidinha, quase ganhando.. esse vídeo chegou na hora certa e eu chorei só de assistir. Como faz bem a gente ler e ter uma breve noção de como será essa fase. Amei, e agregou muito na minha vida

  2. Avatar

    Ei minha pequena, fico feliz que tenha gostado do post… =)
    Transcrever os vídeos é um grande desafio!!

    Sou muito suspeito pra falar o quanto a Milla grava com a alma.

    O vídeo foi tão cheio de verdade né?!

    Quanto ao finalzinho da sua gestação, não tenha medo.
    Não se cobre!! Viva seu momento!! Você vai sentir falta de tudo isso!!

    Que seu Ser de Luz venha com saúde!!
    Porque amado, eu sei que já é demais!! =*

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode utilizer marcadores HTML tags e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Secured By miniOrange
Close